Pedro Figueiredo, Escultor.

Não é que o artista despreze a obra depois de a conseguir. Este precisa de se libertar dela para dar continuidade ao processo criativo. Em simultâneo precisa de a revisitar também para sobreviver, mantendo a sua própria identidade.

Este é o mais simples, coerente e honesto retrato que me ocorreria fazer de um grande artista e em simultâneo de um amigo de infância.

A ti, Pê. ( pedrofigueiredo.pt /) O meu retrato de ti com toda a admiração que tenho pelo teu trabalho.

Um abraço

Finissage Salão de Outono "Aberto para Obras", 25 Jan 2017 Museu da Guarda