Repositorium MMLXVIII – Início dos trabalhos

A Associação Campos d’Arte (ACd’A) começou hoje os trabalhos de isolamento dos contributos diversos que nos chegaram ao longo dos últimos meses para serem depositados no #Repositorium2068 no próximo dia 8, quinta feira, dia em que também vai ser inaugurado o Conjunto Escultórico do SIAC3, em Vila Nova de Foz Côa, do qual o Repositorium faz parte. 

Começou-se por uma questão de urgência pelos trabalhos que o meu querido amigo, o escultor Pedro Figueiredo enviou. Uma cara em grés preto (segundo ele, as memórias estão na cabeça) e um pequeno esboço de uma escultura que em princípio (é o que se pretende hoje, em 2018) servirá para desafiar um escultor que a materialize em 2068, numa 53ª edição do SIAC (Simpósio Internacional de Arte Contemporânea). Segundo o Pedro, a esultura estava húmida por ter sido lavada antes de a trazer ontem e precisámos de a deixar a arejar até que esteja em condições de poder ser devidamente acondicionada para a colocar numa caixa estanque. Entretanto tratou-se do esboço. Apenas foi acondicionado entre duas folhas de papel vegetal, e mais tarde será devidamente isolado entre duas cartolinas e isolado contra temperatura e humidades. 

De seguida passou-se ao trabalho de acondicionamento e isolamento de um conjunto da imagens cedidas pelo #ProjectoReferentes, alma mater desta iniciativa e da qual o Repositórium é uma derivação e uma actividade no âmbito do SIAC3, cujo tema foi este ano “As Vanguardas da Memória“.  O #ProjectoReferentes cedeu pouco mais de uma centena de  imagens do Concelho de Foz Côa do século XX, a ACd’A cedeu outras tantas imagens que foram feitas em 2018 com os mesmos enquadramentos e composições das que existem do século XX e fez-se assim um trabalho que documenta muito bem a forma como a pausagem urbana se alterou ao longo de 9 décadas.

Houve o cuidado de se separarem as imagens em conjuntos pequenos a fim de minimizar as hipóteses de fatalidade generalizada. Em cada extremo de um conjunto uma cartolina e as imagens cada uma delas separada por uma folha de papel vegetal a fim de evitar que as fotografias se colem umas às outras.

Simbolicamente começou-se também a separar e isolar perto de centena e meia de imagens de pessoas que já foram identificadas no âmbito do #Projectoreferentes, a ACd’A irá também depositar junto as identificações de cada uma destas pessoas. A ideia é passar a mensagem de que há um pessado, uma identidade que vem “muito” de trás e que estas pessoas desejam que essa identidade e essas memórias sejam preservadas. 

Não são apenas pessoas que estão letentes nestas imagens. São nomes, apelidos, ascendentes e memórias. É a identidade de um povo, o povo fozcoense que vai vicar ali, durante 50 anos para que seja redescoberto pelos descendentes destas pessoas.

Nos próximos três dias estaremos a trabalhar intensamente para acondicionar devidamente todos e cada um dos contributos que nos chegaram de uma imensidão de pessoas naturais e não naturais do Concelho de Foz Côa, instituições públicas e privadas do Concelho e de fora dele, das quais se devem por imperativo de consciência destacar a Câmara de Municipal de Vila Nova de Foz Côa, que desde a primeira hora abraçou o projecto, o Museu Regional da Guarda, dinamizador do SIAC e por isso um dos padrinhos da iniciativa, mas também se devem assinalar os muitos artistas que participaram no SIAC3 , académicos de instituições de ensino superior diversas, profissionais de áreas diversas, bem como ilustres incógnitos do concelho de Foz Côa e representantes das diversas áreas da economia local. nfim, a iniciativa esteve aberta a todos os que desejaram nela participar. Uma última palavra para as escolas, pois são os alunos que sobreviverão a esta iniciativa e por isso os seus principais guardiões. São estes os contributos que nos vão obrigar a estar a trabalhar intensamente nos próximos dias para os acondicionar de forma criteriosa e segura de forma que sobrevivam à viagem de 50 anos que os aguarda.

Desde já, e para todos sem excepção, em meu nome, em nome da ACd’A e em nome do #ProjectoReferentes, desejo expressar a nossa gratidão imensa para todos aqueles que se desejaram associar a este iniciativa.

Rui Campos.